terça-feira, 20 de janeiro de 2009

A insustentável leveza do fumo


A sabedoria popular diz-nos que temos de ser uns para os outros e vem isto a propósito de um amigo meu não-fumador que desde a semana passada anda acabrunhado e cabisbaixo. Há um ano atrás rejubilou com a lei anti-tabaco certo de pertencer à maioria saudável deste país que apontava o egoísmo à minoria dos fumadores e justamente os punia socialmente quanto mais não fosse porque o irritava particularmente respirar o fumo deles quando degustava o seu bifinho com muito molhinho e batatas fritas e uma concha de arroz ou porque quando ia desopilar à noite ficava com o cheiro a fumo entranhado na roupa que tinha de ir logo tudo para lavar e até para a limpeza a seco.

Só que nas notícias teve conhecimento de um estudo de uma faculdade, com toda a seriedade que isso comporta que conclui que os gases lançados pelos veículos automóveis, compostos de substâncias todas elas cancerígenas, afectam toda a atmosfera, inclusive os locais onde o fumo não é permitido, e consequentemente, toda a população, incluindo as criancinhas que ainda aprendem a circular em ranchos ordenados a pé pelas ruas em saídas lúdicas dos infantários ou até em visitas de estudo. E ele que tem no seu carrinho o seu ai-jesus e já nem seria capaz de ir ao café da esquina sem ele, tal a relação íntima que ao longo dos anos se desenvolveu entre eles, começou a imaginar cenários em que catrefas de médicos o aconselham a seguir um programa de desintoxicação da viatura com muitas caminhadas a pé, em que as viaturas são impedidas de entrar nas cidades e os cidadãos são obrigados a circular em transportes públicos, em que se vê relegado para uma situação quase clandestina de ligar o seu automóvel e assentar as mãos no volante apenas na privacidade da garagem que felizmente no seu prédio ainda são individuais, tudo a bem da saúde de toda a população e sente-se um individuo a quem arrancaram metade de si.



Foto de Cristina Grosso, 2008

5 comentários:

Aninhana disse...

Evita-se o que se pode evitar...

maria_arvore disse...

Aninhana,
:)
Evita-se o que é mais fácil de ultrapassar, para manter uma imagem saudável... mesmo que a saúde seja a última das prioridades.;)

Curiosa disse...

Também tenho uma amiga que jubilou com esta lei e dei-lhe o preciso exemplo do carro – engoliu em seco.
Com a crescente de zonas para fumadores na restauração, leva sempre com a graçola: olha que o restaurante é para fumadores, vê lá.

studio disse...

Boa Tarde!

Ao passear pelo Google Imagens deparei-me com uma fotografia da minha autoria.

Apenas para a informar que isso é roubo dos direitos do autor tenha atenção no futuro porque podem lhe pedir uma indemnização...

Não é o meu caso, gostei bastante do seu tema e de me ter identificado como fotógrafa.

Deixo assim um abraço

Kristina Grosso
Studio Fashion Algarve
Photographer

www.fotografia.ifp3.com

maria_arvore disse...

Kristina Grosso,
Agradeço a sua compreensão.:)

Acredite que a minha intenção foi apenas incluir no post uma boa fotografia e fiz questão de identificar a autora da mesma e o local onde a encontrei, julgando que tal bastaria em termos de direitos de autor.

Um grande abraço :)