terça-feira, 13 de maio de 2008

Para memória futura

Sócrates e Pinho violaram proibição de fumar a bordo do voo de Lisboa para Caracas
13.05.2008 - 13h33 Luciano Alvarez, em Caracas

O primeiro-ministro, José Sócrates, o ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho, e vários membros do gabinete do chefe do Governo violaram a proibição de fumar no voo fretado da TAP que ligou Portugal e Venezula e que chegou às cinco horas da manhã de ontem a Caracas (hora de Lisboa, 23h30 na capital venezuelana). O assunto foi muito comentado durante o voo por membros da comitiva empresarial que acompanha Sócrates e causou incómodo a algum pessoal de bordo.

O supervisor do voo, a segunda autoridade a bordo logo após o comandante, disse não ter dúvidas de que era proibido fumar a bordo e, embaraçado, falou em “situações de excepção”. Um assessor do primeiro-ministro disse que “é costume” e que as pessoas [que iam a bordo] “não se importaram”.

O Airbus A 330 da TAP saiu de Lisboa às 21h00 de segunda-feira. O filme de segurança foi claro a explicar que aquele era um voo de não-fumadores, as luzes de proibição de fumar mantiveram-se acesas durante todo o percurso de oito horas e no folheto de segurança era também claro e explicado em letras garrafais a proibição.

Pelas 23h00, servida a refeição, alguns membros do gabinete do primeiro-ministro, que seguiam na traseira do avião, onde estavam também os jornalistas, começaram a dirigir-se para a frente da aeronave com maços de tabaco na mão. Falavam entre si no facto de “já se poder fumar”.

O local escolhido era a zona de serviço de pessoal de bordo, na parte da frente do avião que dividia a classe executiva, onde seguia o primeiro-ministro, os ministros e os secretários de Estado, da classe económica. Uma cortina junto à porta de emergência escondia os fumadores dos restantes passageiros. No local o cheiro a fumo era intenso. Um membro do pessoal de bordo aconselhava os fumadores a levarem copos com água para apagar os cigarros.

Atrás das cortinas

Embora escondidos atrás da cortina, os empresários que seguiam mais à frente podiam ver tudo. Pelas 23h30 foi a vez do próprio primeiro-ministro se esconder atrás da cortina e acender um cigarro. Voltaria lá mais uma vez, como o PÚBLICO pode ver, cerca de meia hora mais tarde. Entre alguns dos empresários ouvia-se em surdina frases de espanto e de critica. “O primeiro-ministro que restrigiu e bem o fumo em Portugal devia dar o exemplo. Isto é uma pouca vergonha”, disse ao PÚBLICO, ao abrigo do anonimato, um dos empresários que se mostrava mais agastado com a situação, explicando que estava ali “para tentar fazer negócios e não arranjar problemas”.

Com o avançar da noite as coisas acalmaram junto à “zona de fumo”. Pelas duas da madrugada o primeiro-ministro, membros do seu "staff" e alguns empresários reuniram-se em conversa junto à “zona” fumo, apesar de nesse momento e durante cerca de uma hora estarem acesas as luzes de obrigatoriedade de os passageiros se encontarem sentados e com os cinto de segurança apertados. Nessa altura, alguns já nem se escondiam atrás da cortina para fumar. Pelas 3h05 o próprio primeiro-ministro, que nesse momento falava com alguns gestores da industria farmacêutica, acendeu um cigarro à frente de todos, desta vez também sem se esconder atrás da cortina.

João Raio, supervisor do voo TAP, contactado pelo PÚBLICO ainda durante o voo, começou por dizer que aquele era “um voo fretado” e que “às vezes” aquelas situaçõs aconteciam. Questionado pelo PÚBLICO se era ou não proibido disse não ter dúvidas que era. “Às vezes há estas situações de excepção”. Contou então como as coisas aconteceram. “Algumas horas depois de o voo ter partido o ministro Manuel Pinho foi fumar. Ninguém me tinha perguntado se se podia ou não fumar. Fui falar com o comandante que não gostou da situação, mas que disse para arrranjar uma zona para fumar, se não ainda acabariam a fumar no 'cockpit'”.

Repetiu depois que nem ele não o comandante tinham dúvidas de que era proibido e revelou saber que já em outras ocasiões o primeiro-ministro tinha fumado em voos TAP: “Acho que até já li nos jornais.” Alguns jornalistas que habitualmente acompanham as viagens do primeiro-ministro confirmaram ao PÚBLICO que já não é a primeira vez que José Sócrates fuma nos voos.

Já em Caracas, o PÚBLICO confrontou Luís Bernardo, assessor do primeiro-ministro que acompanhou a viagem, sobre o facto e sobre as criticas que alguns empresários fizeram. “Já é costume. Já aconteceu em outras viagens. Ouvimos as pessoas que não se importaram”, afirmou. O PÚBLICO não viu, nem ouviu em nenhuma ocasião durante as oito horas de voo algum membro do gabinete do primeiro-ministro questionar fosse quem fosse sobre a possibilidade de se fumar a bordo, num voo onde foi sempre claro que tal era proibido.

O PÚBLICO viaja num avião fretado pelo gabinete do primeiro-ministro.
Jornal Público de hoje (este link será muito provavelmente temporário, daí a transcrição integral deste verdadeiro documento)
Via



São tão giros, não são? Eu cá acho muito bem que eles fumem no avião, ou onde lhes der na real gana. Também acho perfeitamente que grande parte dos restaurantes de luxo, ou de 1ª classe, tenha área para fumadores. E que haja excepções, sempre em função da "categoria" do dono dos pulmões que fumam.

Isto é apenas mais uma prova de que o antitabagismo militante se destina (não só, mas também) a manter à distância os tesos em geral e o povo em particular. Conheço bem, conheço de gingeira, a icterícia que a pobreza inevitavelmente provoca na burguesia... e principalmente na casta dos novos-ricos.

Note-se também aquela última frase, no artigo. É espantoso. Dizem eles que o jornal (ou seja, os jornalistas, os fotógrafos & etc.) "viaja num avião fretado pelo gabinete do primeiro-ministro". À borla, por conseguinte. Ou, melhor dito, à conta do contribuinte! Eles e todos os outros jornalistas, para já não falar da restante comitiva (incluindo 80 empresários), vão fazer turismo para a Venezuela à nossa custa, vão na calma e calmamente fumando e, ainda por cima, alguns deles "queixam-se" da fumarada a bordo e outros bufam quem vai a fumar. Caramba, que são mesmo uma cambada de ingratos!

2 comentários:

Curiosa disse...

Mais uma vez, fica demonstrado, que as leis são feitas só para alguns: o comum cidadão.

Que Corja.

JPG disse...

«Informamos que todos os nossos voos são azuis, não sendo permitido fumar em nenhuma circunstância.»
TAP, "Voar Connosco"

A única companhia aérea da Europa com autorização expressa para permitir o fumo nos seus voos é a Smintair - que, aliás, foi criada exclusivamente para e por fumadores.

Não existe qualquer distinção, legal ou regulamentar, entre voo regular e voo fretado... a não ser o preço, o horário e o plano de voo. Não há excepções algumas em coisa nenhuma.

Uma das alegações/justificações para a proibição total do fumo em aeronaves (através de acordos e protocolos internacionais) é a questão ambiental: o fumo a bordo aumenta o consumo de combustível.
«Because smoke-free cabins meant burning less fuel, the no-smoking trend was a very welcomed one from the perspective of airline economics.»
Smokfree